fbpx

Último Relatório da AIS: 67% da população mundial vive em lugares onde a liberdade religiosa é violentada

ACI Digital | Terça, 20 Abril 2021 15:28
Último Relatório da AIS: 67% da população mundial vive em lugares onde a liberdade religiosa é violentada Fundação AIS

A edição de 2021 do Relatório de Liberdade Religiosa no Mundo (RFR) elaborado pela Fundação Pontifícia Internacional Ajuda à Igreja que Sofre (AIS) reporta que a liberdade religiosa é seriamente violada em um em cada três países do mundo, sendo os cristãos os mais perseguidos. 

De acordo com este relatório, apresentado oficialmente em Roma e outras grandes cidades ao redor do mundo hoje (20 de abril), esse direito fundamental tem sido desrespeitado por 62 dos 196 países ao redor do mundo.

De acordo com o estudo, em 26 desses países as pessoas são consideradas perseguidas e, em 95% deles, a situação piorou em comparação à anterior análise.

Na lista de países que não respeitam a liberdade religiosa, alguns países africanos apareceram por primeira vez: Burkina Faso, Camarões, Chade, Comores, República Democrática do Congo, Mali e Moçambique, por parte do continente africano assim como Malásia e Sri Lanka, na Ásia.

Essas estatísticas refletem uma das principais conclusões do Relatório: a radicalização do continente africano, especialmente na África Subsaariana e Oriental, onde houve um aumento dramático na presença de grupos jihadistas. Violações da liberdade religiosa - incluindo perseguições extremas, como assassinatos em massa - ocorrem atualmente em 42% de todos os países africanos: Burkina Faso e Moçambique são dois exemplos paradigmáticos disso.

A radicalização não afeta apenas o continente africano: o relatório revela um aumento das redes islâmicas transnacionais que se estendem do Mali a Moçambique na África subsaariana, passando pelas Comores no Oceano Índico e nas Filipinas no Mar do Sul da China, com o objetivo de criar um chamado "califado transcontinental".

O texto destaca outra nova tendência: abuso da tecnologia digital, redes cibernéticas, vigilância em massa baseada em inteligência artificial (IA) e tecnologia de reconhecimento facial para aumentar o controle e a discriminação em algumas das nações com o pior registro de liberdade religiosa. Isso é evidente na China, onde o Partido Comunista Chinês vem oprimindo grupos religiosos com a ajuda de 626 milhões de câmeras de vigilância de IA e scanners de smartphones. Grupos jihadistas também estão usando tecnologia digital para radicalização e recrutamento de seguidores.

De acordo com outros dados, pesquisas mostraram que em 42 países (21% do total) que recusar-se a mudar de religião pode ter sérias consequências legais e/ou sociais que vão desde o ostracismo familiar até a pena de morte.

Além disso, o relatório denuncia o aumento da violência sexual usada como arma contra minorias religiosas; crimes contra mulheres e meninas que são abduzidas, estupradas e forçadas a se converter.

Hoje, cerca de 67% da população mundial, cerca de 5,2 bilhões de pessoas, vivem em países onde ocorrem graves violações da liberdade religiosa - incluindo as mais populosas do planeta: China, Índia e Paquistão. Em muitos deles, as minorias religiosas são as mais atacadas. Como indicado no relatório, a perseguição religiosa por governos autoritários tem se intensificado. Desculpas pela supremacia étnica e religiosa em alguns países asiáticos de maioria hindu e budista levaram a uma maior opressão das minorias, muitas vezes reduzindo seus membros a cidadãos de segunda classe. A Índia é o exemplo mais extremo, mas políticas semelhantes são implementadas no Nepal, Sri Lanka e Mianmar.

No Ocidente, afirma o relatório, houve um aumento da "perseguição educada", termo cunhado pelo Papa Francisco para descrever como novas normas culturais e valores conflitam com a liberdade individual dos direitos de consciência e marginalizam a religião "para os distritos fechados de igrejas, sinagogas ou mesquitas".

A pesquisa também aborda o profundo impacto da pandemia COVID-19 sobre o direito à liberdade religiosa. Dada a escala da emergência, os governos consideraram necessário impor medidas extraordinárias, em alguns casos aplicando limitações desproporcionais à adoração religiosa em comparação com outras atividades seculares. Em alguns países, como Paquistão ou Índia, a ajuda humanitária foi negada às minorias religiosas. Especialmente nas redes sociais, a pandemia foi usada como pretexto para estigmatizar certos grupos religiosos como supostamente as causas ou propagadores da pandemia.

Refletindo sobre a seriedade das descobertas da RFR, o presidente executivo internacional da ACN, Dr. Thomas Heine-Geldern, disse: "Infelizmente, apesar das - certamente importantes - iniciativas da ONU e do pessoal para embaixadores da liberdade religiosa, até o momento, a resposta da comunidade internacional à violência motivada pela religião - e à perseguição religiosa em geral - pode ser descrita como fraca e tarde demais."

 "Infelizmente, apesar das - embora importantes - iniciativas da ONU e do pessoal das embaixadas da liberdade religiosa, até o momento, a resposta da comunidade internacional à violência baseada na religião e à perseguição religiosa em geral pode ser classificada como muito pouco, tarde demais."

Publicado pela primeira vez em 1999, o relatório analisa a cada dois anos o quanto o direito humano fundamental à liberdade religiosa, protegido pelo artigo 18 da Declaração Universal dos Direitos Humanos, é respeitado, e o faz considerando todas as religiões dos 196 países do mundo.

Para ver o texto na íntegra, acesse: https://acninternational.org/religiousfreedomreport