fbpx

Indonésia. Igrejas cristãs: esforço comum para eliminar o ódio e promover a paz

“Como diz o Papa Francisco na encíclica 'Fratelli tutti', somos todos chamados a dar uma contribuição para construir a fraternidade", ressalta o sacerdote do Sagrado Coração de Jesus, padre Pranoto. Segundo ele, "o governo, as Igrejas, a sociedade civil devem dar um sinal comum e trabalhar em conjunto". "Cabe a todos nós promover um diálogo inclusivo e construtivo a partir de baixo, para fomentar a convivência pacífica: desta forma as sementes da violência não se enraizarão na sociedade", destaca o religioso

Vatican Media | Sexta, 08 Janeiro 2021 11:05
Indonésia. Igrejas cristãs: esforço comum para eliminar o ódio e promover a paz Vatican Media

Igrejas cristãs e grupos da sociedade civil estão unidos e trabalharão juntos no novo ano para eliminar o ódio e a violência do tecido social na Indonésia: é o que se afirma após as festividades de Natal, lembrando o massacre ocorrido em 27 de novembro nas Sulawesi Centrais, onde uma família cristã foi assassinada por militantes jihadistas.

No distrito, apesar da vigilância assídua e da presença do exército e da polícia, o medo das pessoas continua presente e a população local quer recordar o massacre para fazer de modo que tais atos desumanos não se repitam.

"O Movimento das Mulheres Unidas das Sulawesi Centrais organizou uma oração inter-religiosa para dizer Não à violência e promover juntos uma cultura de tolerância", diz à agência missionária Fides Selfina, ativista do movimento que une as mulheres de todas as etnias e religiões.

Condenação a toda e qualquer violência terrorista

"Condenamos firmemente toda e qualquer violência terrorista que pretenda perturbar nossa unidade, e desejamos viver pacificamente numa sociedade pluralista", acrescenta ela. Mulheres de todas as classes sociais e de diferentes credos expressaram solidariedade às famílias atingidas e rezaram pela paz no novo ano de 2021, oferecendo sua contribuição para promover e construir uma coexistência harmoniosa.

"Queremos dizer às pessoas que nossa unidade e fraternidade é mais forte do que qualquer ódio e intolerância. Queremos muito dizer às pessoas que este incidente não destruirá nossa unidade como indonésios", observa Selfina.

Derrotar o terrorismo e construir uma cultura de encontro

O padre Sigit Pranoto SCJ, um sacerdote do Sagrado Coração de Jesus, envolvido em estudos islâmicos na Universidade Governamental do Islã em Jacarta, declara à Fides:

“Lembremos juntos, cristãos e muçulmanos, que matar é contrário aos valores humanos e religiosos. Todos têm o mesmo direito à vida e somente Deus tem o direito de dispor da vida humana. O incidente em Sulawesi foi um terrível abuso da dignidade humana que não pode ser justificado.”

“Esperamos que no novo ano todos os cidadãos indonésios se mobilizem e cooperem para derrotar o terrorismo e construir uma cultura de encontro. Como diz o Papa Francisco na encíclica 'Fratelli tutti', somos todos chamados a dar uma contribuição para construir a fraternidade", continua o religioso. Segundo padre Pranoto, "o governo, as Igrejas, a sociedade civil devem dar um sinal comum e trabalhar em conjunto".

Promover diálogo inclusivo e construtivo

"Em particular, confiamos que o governo atuará decisivamente contra as diversas formas de violência para eliminar os grupos que perturbam a coexistência. Cabe a todos nós promover um diálogo inclusivo e construtivo a partir de baixo, para fomentar a convivência pacífica: desta forma as sementes da violência não se enraizarão na sociedade", conclui o sacerdote do Sagrado Coração de Jesus.