fbpx

Em cinco anos cresceu o número de sacerdotes na África e na Ásia

O Escritório Central de Estatística da Igreja analisou as variações no número de sacerdotes no mundo entre 2013 e 2018: no total são 414.000, uma diminuição muito ligeira em termos gerais (0,3%). Neste espaço de tempo levado em consideração foram ordenados 43.000 padres, metade dos quais distribuídos igualmente entre os continentes africano e asiático.

Vatican News | Terça, 24 Novembro 2020 11:21
Em cinco anos cresceu o número de sacerdotes na África e na Ásia Vatican Media

A publicação do Anuário Estatístico da Igreja para o ano 2018 permite examinar as características estatísticas e dinâmicas dos sacerdotes nas diversas realidades eclesiais entre 2013 e 2018.

Diferenciando a análise seja territorialmente, seja de acordo com o clero a que pertencem os sacerdotes (diocesanos e religiosos), podem ser extraídos alguns pontos interessantes para reflexão.

O número de sacerdotes no mundo diminuiu de 2013 a 2018, de 415.348 no início do período para 414.065 no final do período considerado, com uma contração de 0,3%, concentrada na última parte do período levado em consideração. Em contraste com a média mundial, a evolução das ordenações sacerdotais em África e na Ásia é bastante reconfortante, com +14,3% e +11,0%, respectivamente (e com um aumento de mais de 2.200 unidades só em 2018), enquanto a América permanece numa situação de quase estagnação em torno de uma média de cerca de 122.000 unidades.

A Europa e a Oceânia, enfim, responsáveis pela contração observada em nível planetário, mostram em 2018 uma diminuição de mais de 7%, e de 1,1%, respectivamente. Desagregando o dado global das ordenações sacerdotais entre diocesanos e religiosos, observamos tendências muito diferentes. Enquanto o número mundial dos primeiros mostra uma tendência de aumento durante todo o período de observação (com um aumento global de quase 0,5% ou seja mais de 1.300 unidades), o do segundo mostra uma tendência decrescente durante o período (com uma contração global de quase 2%, ou seja 2.600 unidades a menos).

Passando à análise por continente, verifica-se que os sacerdotes religiosos diminuíram na Europa (8,3%), América (6,7%) e Oceânia (3,1%) enquanto aumentaram na Ásia (+12,8%) e na África (+9,7%). A ligeira melhoria no número total de sacerdotes diocesanos, por outro lado, deve-se à rápida expansão da presença diocesana em África (onde o número de padres diocesanos aumentou 16,4% de 2013 a 2018), na Ásia (onde o crescimento foi de 10,8%) e nas Américas, excluindo o Norte (+2,2%), vice-versa a Europa mostra uma diminuição acentuada (-6,7%).

A distribuição percentual de sacerdotes por continente mostra mudanças apreciáveis ao longo dos cinco anos considerados. Embora a Europa tenha a percentagem mais elevada, o número de sacerdotes do total diminuiu consideravelmente ao longo do tempo: em 2013, os mais de 184.000 sacerdotes representavam 44,3% do total do grupo eclesiástico, enquanto cinco anos mais tarde tinham caído para 41,3%. Isto deve-se principalmente à queda acentuada do número de religiosos, que diminuíram relativamente mais do que os diocesanos. A África e a Ásia, por outro lado, ganharam terreno conquistando um total de 25,7% do total mundial de 22,9% em 2013, graças, em particular, à presença crescente dos diocesanos nos dois continentes. A América mantém ao longo do tempo uma fração de cerca de 30%, enquanto a Oceânia se mantém relativamente estável em torno de uma quota de pouco mais de 1,1%.

Leva-se também em conta as avaliações feitas no início do período considerado (2013) e no final (2018) do número de sacerdotes no seu conjunto. Os fenômenos de fluxo que afetam a coletividade dos sacerdotes são mostrados no quadro anexo. Os movimentos crescentes são divididos em ordenações e reingressos, aqueles em diminuição em elevações a bispo, mortes e deserções. Para cada continente é também indicado o saldo migratório, cujo total mundial é, por definição, nulo. Comecemos com uma análise das ordenações e reingressos e depois comentar os fluxos decrescentes.

No período de 2013-2018 as ordenações foram superiores em 43 mil, com a América a representar 28,3% do total seguida da África (25,5%), Ásia (25,2%), Europa (20,3%) e Oceânia (apenas os restantes 0,7%). Quanto ao reingresso, continuam a dar uma contribuição muito menos significativa para o aumento do número total de sacerdotes. No período 2014-2018, de fato, o seu número era um total de 1.130 unidades, cerca de 90% das quais estavam localizadas na Europa e na Ásia. Ainda menos incisivo é o fenômeno de reingresso nos outros três continentes, tanto em termos absolutos (129 unidades) como relativos.

Entre os fatores que reduzem o número de sacerdotes, nota-se que, entre 2013 e 2018, o número de mortes entre os sacerdotes foi cerca de 4.000 menos do que as ordenações, superando no mundo as 39.000 unidades. Na Europa, caracterizada por um corpo sacerdotal muito mais idoso, as mortes excederam as ordenações em quase 15.000 unidades e foram 23.365. São, contudo, compensados pelo saldo positivo registado globalmente na Ásia e, sobretudo, em África, onde a idade média da população sacerdotal é mais baixa. Finalmente, o equilíbrio demográfico na América é quase perfeitamente igual.

Também se pode observar que a taxa de mortalidade de todos os sacerdotes do mundo tem vindo a crescer ao longo do tempo. Esta tendência de aumento da mortalidade é comum aos sacerdotes em todas as áreas geográficas. Contudo, o nível de mortalidade varia consideravelmente nas diferentes áreas geográficas, e no período de observação podemos ver que algumas áreas (África, América Central, Sudeste Asiático) têm quocientes de mortalidade muito próximos uns dos outros e, em qualquer caso, inferiores para todas as áreas geográficas aqui consideradas.

O fenômeno das deserções, em geral, afetou quase 6 mil sacerdotes no mundo no período de 2014-2018. Quanto à distribuição territorial dos dados, mais de 81% das deserções tiveram lugar na América e na Europa, enquanto as outras áreas sofreram de maneira menos intensa.

A par das características globais que acabam de ser destacadas, outros elementos importantes podem também ser destacados: a) as transferências migratórias que são positivas e de alguma importância para a América do Norte e Centro Continental, para a Europa e Oceânia e as transferências migratórias negativas importantes para África, para a Ásia e América do Sul; b) a diminuição dos sacerdotes por elevação ao episcopado de pouco peso global.

(Realizado pelo Escritório Central de Estatística da Igreja)